• Jun
  • 30
  • 2013
Os Imagineiros do Tarô

Neste pequeno ensaio J-C Flornoy define as tradições que supostamente deram origem aos tarôs com que ele trabalhou.

  • May
  • 30
  • 2013
Método da Rima para os Olhos

Desta vez Enrique Enriquez condensa sua abordagem tarológica nestas menos de trinta sentenças, no método de leitura e interpretação denominado de “Rima para os Olhos”. Aqui está tudo o que Enriquez desenvolve nos seus ensaios Looking at the Tarot Marseille e em Embodied Tarot, que serão em breve lançados em português. Mesmo para quem não se aprofunde nestes seus outros trabalhos qualquer um, com um baralho e algumas horas de prática, pode entender a lógica neste método.

É um ótimo método para principiantes no Tarô e para quem tá de saco cheio de fórmulas esotéricas enguiçadas.

  • Feb
  • 24
  • 2013
As cartas - de Pablo - não mentem.

Vêm da Argentina as duas titânicas empreitadas que enriquecem o mundo do Tarô clássico. A primeira parte do texto aborda uma restauração do Tarô de Jean Dodal. A segunda parte trata-se de um novo Tarô de Marselha (TdM II), completamente concebido por Pablo Robledo. Onde, sua experiência acumulada permitiu-o a elaboração de um baralho inteiramente novo, mas respeitando o padrão reconhecido como tradicional. Para redigir estes textos fiz uma compilação do que Robledo escreveu em fóruns sobre tarô e no seu antigo blog. Os detalhes vieram através de uma mini-entrevista que fiz com ele, onde demonstrou ser um cara amável e muito acessível. Bom, vamos a eles!

  • Feb
  • 23
  • 2013
Como são classificados os tarôs?

Este texto é uma compilação de diversas fontes encontradas na internet e em alguns livros. Quando estuda-se o tarô encontramos coisas curiosas como “o tarô de Marselha não surge nesta cidade e também os tarôs sob este título não necessariamente surgiram nela” mesma coisa ocorre com o Tarô de Besançon. Sem contar as diferentes regiões e seus respectivos  baralhos… A confusão é inevitável. Essa é minha contribuição para tornar palpável estas nomenclaturas, divisões e categorias.

  • Jan
  • 31
  • 2013
Por que chamar de 'Casa Deus'?

A carta com a numeração XVI, ou arcano XVI, tem de acordo com o autor, significados diferentes e até conflitantes. Neste texto Jean-Claude compilou algumas das diferentes pesquisas, considerações e hipóteses que se tem feito sobre o surgimento e evolução das cartas. A ‘Casa Deus’ dá muito pano para manga. Acredito que Flornoy considera esta carta, pela importância que à deu  e aos símbolos que alguns gravadores destacaram, como um divisor de águas quanto a algum processo místico presente e praticado pelos gravadores/ilustradores cristãos da época medieval. Lembrando que ela possui uma grande importância no conjunto das imagens do tarô, pois é a primeira a ter os céus habitados…

  • Oct
  • 29
  • 2012
Espreitando através das barras da prisão ocultista do Tarot - Enrique Enriquez

Neste texto Enrique Enriquez desenvolve, não sem certa ironia, suas percepções de como os tarôs publicados desde o advento do ocultismo são pobres e acabam repetindo erros nas suas estruturas simbólicas. É também uma sutil aula para preparar o olhar mais acurado ao Tarô.

  • Oct
  • 27
  • 2012
Galeria: Tarot Jean Noblet (restaurado) - c. 1650

Esta galeria apresenta o baralho de Jean Noblet, datado de algo próximo a 1650, restaurado por Jean-Claude Flornoy.

O pequeno tamanho, pouco habitual, deste tarô não afeta seu charme.

 O grande estudioso dos jogos de cartas, Henry René D’Allemagne, também cita um Jean Noblet em sua lista de impressores de cartas parisienses de 1664. Assim, é possível datar este jogo de meados do século XVII, tornando-o contemporâneo de Jacques Viéville. O interesse por uma tal datação é que possivelmente este seja o Tarô mais velho daqueles conhecidos como “de Marselha“.

  • Oct
  • 21
  • 2012
Galeria: Tarot Jacques Viéville - c. 1650

Galeria com as imagens dos trunfos do estranho Tarot de Jacques Viéville, realizado em Paris (França) em cerca de 1650.

Veja a edição restaurada desse baralho aqui.

  • Oct
  • 21
  • 2012
Galeria: Tarot Pierre Madenié - 1709

Galeria com as imagens dos trunfos do Tarot de Pierre Madenié, realizado em Dijon (França) em 1709.

Este baralho foi republicado em 2012, por Yves Reynaud e Wilfried Houdouin, e lançado com o cuidado de manter o maior número possível das condições originais do baralho. No site que eles mantêm Tarot de Marseille Heritage é possível verificar outros baralhos da tradição marselhesa passíveis de no futuro serem publicados.

A edição fac-símile desse baralho está à venda aqui.

  • Oct
  • 20
  • 2012
O Poder do Tarô

Trecho de entrevista dada pelo israelense Yoav Ben-Dov a Enrique Enriquez:

“O poder do Tarô está em suas imagens. É um trabalho de arte vivo que envolve diversos séculos, e passou por diversas transformações através de incontáveis mãos e olhos. O resultado é uma combinação de imagens que possuem um poder muito misterioso sobre as pessoas – você olha para elas e elas trazem à sua mente conteúdos que podem mudar sua vida.

Patrocinado